Jardins Verticais | leonetti & piemonte

Jardins Verticais

Jardins Verticais

No dia 18/09/2017, o Ministério Público de São Paulo entrou com uma ação civil contra a construção de jardins verticais como meio de compensação ambiental[1].  O inquérito alega que a instalação de Jardins Verticais não é um modo eficiente para compensar o meio ambiente, pois as paredes verdes realizam fotossíntese e evapotranspiração em índices muito menores que as árvores que estão sendo extintas da cidade. Uma semana depois, a Justiça negou o pedido do Ministério Público, pela ausência de critérios técnicos que diferenciassem jardins verticais que sirvam como compensação ambiental daqueles que não o sirvam.[2]

Decidimos então falar um pouco sobre os jardins verticais que tanto embelezam e colorem o cinza de nossa cidade. Morar em uma cidade como São Paulo tem suas vantagens, mas não dá para não dizer que um pouco de verde nessa selva de pedra faz falta. Com cada vez menos espaço disponível, olhamos para os lados e vemos rapidamente a paisagem urbana se transformando – parece que do nada cresce um novo prédio. Assim os Jardins Verticais trazem muito mais vida as grandes cidades.

“A verticalização é quase obrigatória para que as cidades que já não tem mais espaço possam continuar crescendo e gerando moradias para o grande número de pessoas. Com isso vem crescendo também problemas com a poluição do ar, o clima e outros fatores como os barulhos e sons típicos dos meios urbanos. Os jardins verticais são um meio de tornar esses ambientes melhores e mais bonitos.” (AEAJS, 2017)

A alegação do Ministério Público, apesar de correta no sentido da compensação ambiental de empreendimentos que causem um impacto considerável no meio ambiente, é feita de forma generalizada. Os jardins verticais mostram uma solução para a paisagem urbana de São Paulo, mas devemos acima de tudo, como arquitetos e cidadãos, buscar soluções que evitem o impacto ambiental, ao invés de tentar remediá-lo.

Quando falamos nestes jardins, um nome sempre surge nas pesquisas: Patrick Blanc. O cientista botânico e designer trabalha com isso desde 1982, tarefa que o faz viajar o mundo para espalhar a arte viva pelas paredes, seja em hotéis, locais públicos, museus, restaurantes, prédios comerciais ou residenciais. Ao todo, ele possui 250 intervenções assinadas com seu nome, sendo que em Paris se concentram a maioria de suas paredes verdes.

Os jardins verticais, também podem ser cultivados em casa, varandas e apartamentos: além de esteticamente lindos, esses jardins também podem ser funcionais, pois é possível cultivar hortaliças para o consumo. Com o aumento da procura por esse recurso, empresas criaram vários modelos, de diversos tamanhos e técnicas, com direito à sistema de irrigação automática e tudo mais.

Queremos mostrar um pouco dos Jardins verticais mais lindos do mundo e confirmar quanta beleza trazem.

 

 

[1] “MP entra com ação civil contra jardins verticais em SP”, Estadão São Paulo, São Paulo, 18 de setembro de 2017. Acesso em 27 de setembro de 2017.

 

[2] “Ministério Público proibirá Prefeitura de São Paulo de usar jardins verticais como compensação ambiental”, ArchDaily, São Paulo, 24 de setembro de 2017. Acesso em 27 de setembro de 2017.